Você conhece o Cross Laminated Timber?

VOCÊ CONHECE O CROSS LAMINATED TIMBER?

O CLT, Cross Laminated Timber (ou Madeira Lamelada Colada Cruzada, em português) é um produto de mass timber para uso estrutural, em forma de painéis, que podem ser utilizados como lajes, coberturas e paredes estruturais. 

A tecnologia da colagem cruzada das lamelas permite a produção de painéis de elevado desempenho estrutural. O CLT permite vencer grandes vãos, suportar bem cargas, construir lajes de forma muita rápida e resistir durante mais tempo em situações de incêndio. Por esses motivos, o produto CLT foi o grande acelerador da adoção da tecnologia mass timber no mundo todo. 

As dimensões dos painéis podem variar de acordo com cada projeto. A fábrica Urbem terá a capacidade de produzir painéis3 metros de largura por até 12 metros de comprimento, atendendo as espessuras do projeto. O CLT é produzido a partir da união de lamelas (que, na prática, são tábuas serradas) de madeira Pinus (Pinus spp.). As espessuras das lamelas variam entre 20 e 40 mm, dispostas em camadas e coladas entre si com adesivo estrutural à base de poliuretano (PUR). As lamelas são prensadas por meio de prensas hidráulicas, de alta tecnologia.

Todo o processo de produção do CLT, desde a preparação da lamela até a prensagem do elemento estrutural, segue a orientação da norma europeia EN 15425 e da norma brasileira NBR 7190 – Projetos de estrutura de madeira.  Depois que as toras das árvores de pinus são cortadas, as lamelas extraídas são secas emestufa, em um primeiro ciclo, trazendo a umidade da madeira para patamares de 25%. 

Após essa etapa, as lamelas são tratadas por impregnação emautoclave com produtos químicos, deacordo com a classe de utilização do produto. Os produtos mais utilizados são o CCA, CCB e o MicroCAC, todos seguros e normalizados. A concentração da retenção de cada produto na madeira é descrita na NBR 16143 – Preservação de Madeiras. 

Saindo da autoclave, as lamelas passam pelo segundo ciclo de secagem, que vai trazê-las lamelas para a umidade de equilíbrio final, que gira em torno de 12%. A secagem é um processo muito importante e que garante a estabilidade dimensional do elemento, assim como assegura a sua durabilidade.Essa etapa garante a proteçãoda madeira contra danos causados por agentes deterioradores, taiscomo fungos e insetos. 

Na sequência, as lamelas são selecionadas eclassificadas através de scanners, de acordo com as classes apresentadas na NBR 7190. Nessa etapa, as lamelas são refiladas e separadas de acordo com as classes de resistência. Depois, são reagrupadas em lamelas mais longas, no processo de finger joint. Nossa finger será totalmente automatizada, o que garante que o posicionamento das uniões, seu tamanho e a cola aplicada estejam de acordo com as normas. Assim, produzimos lamelas de resistência homogênea e constante. 

Após a etapa de finger joint, as lamelas passam pelas plainas, que deixam as peças retas e com o acabamento necessário para receber a cola estrutural. Por fim, os painéis passam pelo processo de usinagem, onde são executados os cortes, furos, marcações e rebaixos. Essa etapa acontece com auxílio das máquinas CNC (centro de usinagem porcomando numérico computadorizado). 

Em resumo, os elementos de mass timber são produzidos em fábrica, com altíssima fidelidade ao projeto, chegando no canteiro de obras como grandes peças de Lego, na ordem correta de montagem. 

É importante frisar que o mass timber é uma tecnologia que também funciona bem associada a outros sistemas construtivos. Por exemplo, podemos pensar em pórticos metálicos com lajes de CLT ou pórticos em Glulam com lajes de painel wall ou concreto pré-moldado. Com o auxílio de um projeto de montagem e o acompanhamento do nosso time UTech, a obra se transforma em uma grande linha de produção.